F.A.Q.

Desde o lançamento desde website, em meados de 2007, várias perguntas e respostas inevitavelmente se tornaram recorrentes.

Para facilitar sua pesquisa diante da imensidão de informações que você precisa e deve assimilar sobre a espécie Betta splendens, resolvemos reunir nesta seção uma seleção de perguntas que freqüentemente nos são encaminhadas (Frequently Asked Questions), divididas por temas. Esperamos e desejamos que esta seção possa lhe ajudar a dirimir, pelo menos, algumas de suas dúvidas.

Equipamentos e afins:

É verdade que eu preciso ter um puçá (redinha), para cada betteira (aquário)?

Se fosse factível, isto seria fantástico. Mas dependendo do número de betteiras (aquários) que você mantém, estes equipamentos podem acabar lhe saindo muito caros e de difícil administração. No mínimo precisaria identificar cada betteira (aquário) e puçá (redinha) com o mesmo código de identificação e tomar muito cuidado para não misturá-los jamais.

Sugiro que você compre alguns puçás (redinhas) e procure mantê-los mergulhados em solução de água sanitária e/ou grande concentração de sal, para mantê-los sempres desinfetados e prontos para uso. É evidente que antes de serem colocados na água, em contato direto com os peixes, precisariam ser lavados em água corrente.

Estes puçás (redinhas) vão ter vida útil pequena. Rapidamente a trama do tecido vai apodrecer em função da constante exposição com os produtos químicos desinfetantes, mas este investimento em constantes reposições de puçás (redinhas), rapidamente será revertido em saúde dentro do seu plantel.

Qual o volume de água ideal para manter meu Betta?

Em nossa humilde opinião, a betteira (aquário) deve ter, no mínimo, 3 (três) litros de água e deve ter tampa (Betta splendens costumam se empolgar em suas evoluções e acabam, acidentalmente, saltando fora da água). Este volume de água proporciona espaço suficiente para o peixe se exercitar e se manter saudável. Este volume de água também lhe permite promover 2 (duas) ou 3 (três) TPAs (Troca Parciais de Água), por semana, de aproximadamente 30% (trinta por cento) da água ou 1 (uma) TTA (Troca Total de Água) semanalmente, se você também mantiver plantas aquáticas naturais nesta betteira (aquário).

Preciso instalar filtro (interno ou externo) e pedra-porosa na betteira (aquário)?

Primeiro é importante que você saiba que esta espécie, na natureza, vive em águas pobres de oxigênio e exatamente por conta disto, ao longo de sua evolução (milhares de anos), desenvolveu um órgão chamado labirinto, que funciona de forma semelhante ao pulmão humano. Os Betta splendens retiram da atmosfera, o ar que precisam para viver. Após 15/20 dias de vida, este órgão está totalmente formado e o animal é capaz de sobreviver em situações de total falta de presença de oxigênio dissolvido na água. Portanto, para um Betta adulto, oferecer-lhe uma pedra-porosa instalada na betteira (aquário) é absolutamente inútil, desnecessário. A instalação de filtros, seja interno, ou externo, também é dispensável se você promove as TPAs (Trocas Parciais de Água) e/ ou TTAs (Trocas Totais de Água) programadas, considerando que normalmente Betta splendens são mantidos em pequenos volumes de água, no ambiente de cativeiro. Betta splendens não precisam de estrutura sofisticada, normalmente custosa, para serem mantidos em cativeiro.

Posso enfeitar a betteira (aquário) do meu mascote com plantas aquáticas artificiais?

Pode, mas não deve. Por melhor qualidade e mais macio que seja o material usado na industrialização destes artefatos decorativos, sempre ficam arestas e pontas cortantes, que podem ferir o animal. Nem vou entrar no mérito do nível de toxidade do material e corante empregado em sua fabricação.

Você pode e deve decorar a betteira (aquário) com plantas naturais. Existem várias opções de plantas que sequer precisam de substrato para sua fixação. Retiram os nutrientes necessários para a sua sobrevivência diretamente da água. Basta plantas que melhor se adaptam à quantidade de luz ambiente, onde você decidiu acomodar a betteira (aquário).

As plantas naturais, além do belo aspecto estético que conferem à betteira (aquário), ajudam a manter o nível de amônia tóxica da água sob controle entre as TPAs (Trocas Parciais de Água) e/ou TTAs (Trocas Totais de Água) que você se programa a fazer e aumentam a sensação de segurança dos animais.

Posso enfeitar a betteira (aquário) do meu mascote com pedrinhas?

Pode, mas não deve. O substrato, as “pedrinhas”, vão se mostrar pouco práticas no manejo diário, dificultando a limpeza da betteira (aquário).

Nas frestas, entre as “pedrinhas”, podem se acumular restos de comida e excretas do animal, que criarão as condições ideais para o crescimento de colônias de fungos e bactérias, à níveis potencialmente perigosos. Por mais cuidado que você tenha, a limpeza nunca será perfeita. Se você faz questão de usar substrato na betteira (aquário), prefira usar pedras de colorido natural, nada colorido artificialmente e sem bordas cortantes.

Devo manter um sistema de controle e manutenção de temperatura nas betteiras (aquários)?

Sim. Você deve manter um sistema de aquecimento controlado por termostato, para equilibrar a temperatura da água, caso aconteça uma mudança repentina e significativa na temperatura do ambiente. Também vai precisar de um termômetro para acompanhar visualmente se o conjunto de aquecedor e termostato, está realizando sua função com eficiência.

É importante salientar que mudanças repentinas e segnificativas nos parâmetros da água, incluindo aí sua temperatura, estressam muito o animal, permitindo que doenças oportunistas se manifestem. Com peixes, é preferível prevenir, do que remediar.

Estes equipamentos devem ser instalados mesmo em regiões onde as temperturas não costumam de alterar de forma significativa e rápida. Se um dia acontecer, quando acontecer, lá existirá uma estrutura instalada para reequilibrar a temperatura da água.

Acho que nem precisamos ressaltar a necessidade premente deste tipo de equipamentos se você mora numa região onde o clima é instável ou faça frio em determinadas épocas do ano.

Manejo básico:

Posso montar um aquário coletivo com Bettas machos?

É possível manter aquários coletivos com exemplares machos de Betta splendens, desde que sejam acostumados, ainda jovens neste manejo. Porém, as caudas dos peixes ficarão danificadas, prejudicando o visual do peixe, muitas vezes de forma definitiva, mas isto não afetará a carga genética do peixe, nem sua capacidade reprodutiva.

Muito possivelmente, o macho mais feio do grupo será exatamente o dominante do aquário, pois é o que mais vai se envolver em competições pela dominância do espaço.

Particularmente não gosto deste manejo, mas ele é possível.

Porque as ninhadas de Bettas apresentam alevinos de tamanhos tão diferentes?

O processo de acasalamento de Betta splendens é demorado. Casos observados que chegam a 08 horas ou mais, não são raros, então os alevinos nascem, mais ou menos, pela ordem de fertilização do ovo, começam a comer primeiro e se impor sobre os alevinos mais tardios, que ficam com as sobras de comida disponível, se houver. A diferença de poucas horas de nascimento pode selar o destino do alevino, ao ponto dele entrar na cadeia alimentar dos irmãos “mais velhos”.

Por isto é recomendável separar os filhotes em vários aquários com fartura de lâmina d’água (a coluna d’água é menos relevante), em grupos de exemplares de tamanhos similares, para aumentar a chance da ninhada toda chegar à idade adulta, praticamente ao mesmo tempo e com excelente desenvolvimento.

Qual é a temperatura ideal da água para Betta splendens?

Esta espécie vive muito bem em água que tenha temperatura na faixa de temperatura entre 24 e 30 ºC. Mas esta ela é capaz de se adaptar em águas mais quentes ou frias, desde que isto aconteça de forma muito lenta.

De preferência adapte seu peixe à água que você pode oferecer a ele, ao invés de tentar ajustar a temperatura da água artificialmente. Exceto se você vive numa região geográfica onde aconteçam mudanças importantes de temperatura, em pequenos intervalos de tempo. Neste caso, apesar do alto custo de energia elétrica (forma mais comum de se aquecer a água de betteiras ou aquários), é imprescindível instalar um sistema de aquecimento na betteira (ou aquário), de preferência controlado por termostato, que assume o controle de ligar e desligar o aquecedor, de forma automática, para ajustar a temperatura da água para um patamar que você ajustou e entendeu ser razoável.

Mudanças subtas de temperatura da água acabam estressando muito o animal. E você já sabe… Animal estressado é porta de entrada para doenças oportunistas.

Adapte de forma muito lenta o peixe ao pH da água que você pode oferecer.

Qual é o pH ideal da água para Betta splendens?

Esta espécie vive muito bem na faixa de pH de 6.8 a 7.4. Mas ela é capaz de se adaptar em águas mais ácidas ou alcalinas, desde que isto aconteça de forma muito lenta.

De preferência adapte seu peixe à água que você pode oferecer a ele, ao invés de encher a água de química. Por mais paciência que você tenha para ajustar o pH da água, para um determinado parâmetro que você entende como ideal, os acidificantes/alcalinizantes utilizados para este fim, o fazem de forma muito rápida, estressando muito o animal. E você já sabe… Animal estressado é porta de entrada para doenças oportunistas.

Adapte de forma muito lenta o peixe ao pH da água que você pode oferecer a ele e esqueça de ficar medindo e alterando o pH.

Como se faz uma adaptação de peixe ao pH e temperatura da água que posso oferecer?

Faça por gotejamento. Por exemplo, ao receber um peixe novo, coloque-o em um pote (atóxico), provisoriamente, com a água de transporte mesmo. Com a ajuda de um equipo para alimentação parenteral (aquele utilizado em hospitais, para ministrar soro e medicamentos diretamente no vaso sanguíneo – compra-se em lojas de artigos hospitalares), regule a vazão de entrada de água neste pote, de forma muito lenta, até triplicar o volume de água original existente no pote em 24 horas ou até mais, se possível.

Feita a adaptação, retire o peixe do pote provisório com a ajuda de um puçá (redinha) e transfira-o para sua betteira (ou aquário), definitivo. Pronto! Ele estará adaptado à temperatura e pH da água que você pode oferecer a ele.

Ao adquirir novo exemplar de Betta, preciso tomar algum cuidado sanitário especial?

Sim. Este animal deverá ficar isolado numa betteira (aquário), sob observação, por 40 (quarenta) dias. Mesmo se tradando de um exemplar fêmea, que poderia ficar num aquário coletivo (junto com outras fêmeas da espécie).

Você pode até improvisar uma betteira (aquário), usando um pet de refrigerante vazio e cortado (eliminar funil próximo do gargalo da garrafa).

O processo de captura, embalagem, transporte, mudança de ambiente (movimentação no local onde o peixe será acomodado na chegada, intensidade de luz, barulhos, etc) e talvez até de parâmetros básicos da água (pH, temperatura, condutividade elétrica), estressam o animal demais, baixando sua imunidade, portanto deixando-o susceptível à ataques de doenças oportunas.

Muito cuidado para não misturar apetrechos de manejo, contaminando de forma cruzada seus peixes mais antigos ou os recém chegados.

Qual o volume de água ideal para manter meu Betta?

Em nossa humilde opinião, a betteira (aquário) deve ter, no mínimo, 3 (três) litros de água e deve ter tampa (Betta splendens costumam se empolgar em suas evoluções e acabam, acidentalmente, saltando fora da água). Este volume de água proporciona espaço suficiente para o peixe se exercitar e se manter saudável. Este volume de água também lhe permite promover 2 (duas) ou 3 (três) TPAs (Troca Parciais de Água), por semana, de aproximadamente 30% (trinta por cento) da água ou 1 (uma) TTA (Troca Total de Água) semanalmente, se você também mantiver plantas aquáticas naturais nesta betteira (aquário).

Preciso instalar filtro (interno ou externo) e pedra-porosa na betteira (aquário)?

Primeiro é importante que você saiba que esta espécie, na natureza, vive em águas pobres de oxigênio e exatamente por conta disto, ao longo de sua evolução (milhares de anos), desenvolveu um órgão chamado labirinto, que funciona de forma semelhante ao pulmão humano. Os Betta splendens retiram da atmosfera, o ar que precisam para viver. Após 15/20 dias de vida, este órgão está totalmente formado e o animal é capaz de sobreviver em situações de total falta de presença de oxigênio dissolvido na água. Portanto, para um Betta adulto, oferecer-lhe uma pedra-porosa instalada na betteira (aquário) é absolutamente inútil, desnecessário. A instalação de filtros, seja interno, ou externo, também é dispensável se você promove as TPAs (Trocas Parciais de Água) e/ ou TTAs (Trocas Totais de Água) programadas, considerando que normalmente Betta splendens são mantidos em pequenos volumes de água, no ambiente de cativeiro. Betta splendens não precisam de estrutura sofisticada, normalmente custosa, para serem mantidos em cativeiro.

Posso enfeitar a betteira (aquário) do meu mascote com plantas aquáticas artificiais?

Pode, mas não deve. Por melhor qualidade e mais macio que seja o material usado na industrialização destes artefatos decorativos, sempre ficam arestas e pontas cortantes, que podem ferir o animal. Nem vou entrar no mérito do nível de toxidade do material e corante empregado em sua fabricação.

Você pode e deve decorar a betteira (aquário) com plantas naturais. Existem várias opções de plantas que sequer precisam de substrato para sua fixação. Retiram os nutrientes necessários para a sua sobrevivência diretamente da água. Basta plantas que melhor se adaptam à quantidade de luz ambiente, onde você decidiu acomodar a betteira (aquário).

As plantas naturais, além do belo aspecto estético que conferem à betteira (aquário), ajudam a manter o nível de amônia tóxica da água sob controle entre as TPAs (Trocas Parciais de Água) e/ou TTAs (Trocas Totais de Água) que você se programa a fazer e aumentam a sensação de segurança dos animais.

Posso enfeitar a betteira (aquário) do meu mascote com pedrinhas?

Pode, mas não deve. O substrato, as “pedrinhas”, vão se mostrar pouco práticas no manejo diário, dificultando a limpeza da betteira (aquário).

Nas frestas, entre as “pedrinhas”, podem se acumular restos de comida e excretas do animal, que criarão as condições ideais para o crescimento de colônias de fungos e bactérias, à níveis potencialmente perigosos. Por mais cuidado que você tenha, a limpeza nunca será perfeita. Se você faz questão de usar substrato na betteira (aquário), prefira usar pedras de colorido natural, nada colorido artificialmente e sem bordas cortantes.

Devo manter um sistema de controle e manutenção de temperatura nas betteiras (aquários)?

Sim. Você deve manter um sistema de aquecimento controlado por termostato, para equilibrar a temperatura da água, caso aconteça uma mudança repentina e significativa na temperatura do ambiente. Também vai precisar de um termômetro para acompanhar visualmente se o conjunto de aquecedor e termostato, está realizando sua função com eficiência.

É importante salientar que mudanças repentinas e segnificativas nos parâmetros da água, incluindo aí sua temperatura, estressam muito o animal, permitindo que doenças oportunistas se manifestem. Com peixes, é preferível prevenir, do que remediar.

Estes equipamentos devem ser instalados mesmo em regiões onde as temperturas não costumam de alterar de forma significativa e rápida. Se um dia acontecer, quando acontecer, lá existirá uma estrutura instalada para reequilibrar a temperatura da água.

Acho que nem precisamos ressaltar a necessidade premente deste tipo de equipamentos se você mora numa região onde o clima é instável ou faça frio em determinadas épocas do ano.

Preciso oferecer alimentos vivos para meus Bettas?

É recomendável para peixes adultos e senescentes e imprescindível para larvas, jovens (em fase de crescimento) e peixes que estão em processo de reprodução.

Na natureza, Betta splendens se alimentam basicamente de micro-organismos, vermes e larvas. Faz parte da sua natureza, do seu instinto, caçar o que come. Seu trato digestivo/intestinal está preparado para este tipo de alimento.

Em cativeiro, a ração industrializada oferecida ao animal, é formulada para suprir suas necessidades básicas e oferecer conforto ao criador. Ela não é capaz de atender ao quesito de instinto de caça do Betta. Então, na medida do possível, procure atender esta necessidade do animal.

Existem várias opções de micro-organismos que podem ser cultivados no ambiente doméstico de forma simples, segura e com pouco trabalho. Aliás, você logo perceberá que esta cultura também pode se transformar numa fonte de prazer e diversão.

Como devo alimentar meu mascote?

Preferencialmente com ração granulada. Escolha a ração com a melhor formulação que seu dinheiro puder pagar (consulte o lojista de sua confiança para ajudá-lo neste processo de escolha), para garantir saúde e beleza ao seu mascote. Alimente-o 1 (uma) vez ao dia, em pequena quantidade, para que não haja sobras, e se houver, remova-as com a ajuda de uma pipeta, conta-gotas ou sifão.

Para você ter uma ideia de quantidade, saiba que o tamanho do estômago de um Betta splendens é aproximadamente do tamanho do aro do seu olho. A quantidade a ser oferecida, deve caber dentro deste círculo.

Bettas em processo reprodutivo, precisam de alimentação especial?

Sim. Tenha em mente que a reprodução de Betta splendens (e outras espécies) só acontece se algumas condições básicas forem atendidas e entre elas está a fartura de alimentos. Peixes tendem a não reproduzir em períodos de escassez, para não ter que dividir o pouco alimento existente no ambiente, com mais bocas.

Por outro lado, o processo reprodutivo consome muita energia dos animais, na produção de ovos, construção de ninho, cuidados parenterais, defesa de território. Portanto, peixes que vão ser colocados para reproduzir, devem receber tratamento especial, comida em fartura (sem exageros, por favor), várias vezes ao dia. Ofereça dieta variada (ração industrializada, alimentos processados e organismos vivos).

Saúde animal:

Que cuidados devo tomar para não propagar doenças identificadas na minha criação de Bettas?

Cuidados básicos como lavar suas mãos em água corrente, com sabão, sempre que for mexer em outro aquário.

Manter os apetrechos de manejo submersos em solução de água sanitária e/ou grande concentração de sal. Antes de usá-los, lembre-se de lavá-los em água corrente.

Não introduza o mesmo apetrecho de manejo em vários aquários, sem fazer a correta limpeza antes (pipeta, sifão, puçá, tubo de coleta de água para testes diversos, etc).

Ao desocupar uma betteira (aquário), tome o cuidado de lavá-la muito bem, deixando de molho em água sanitária, enxágüe e deixe-a ao sol por várias horas, antes de guardá-la para uso futuro, para acomodar outro animal.

Ao menor sinal de problemas, separe o animal numa betteira hospital, iniciando tratamento com medicamentos naturais e/ou industrializados. Percebendo problemas no começo, é relativamente fácil resolvê-lo rapidamente.

Qual a melhor forma de desinfetar uma betteira (aquário) contaminada por bactérias e/ou fungos?

A forma mais simples, barata e eficiente é lavar muito bem a betteira (aquário), em água corrente, depois deixe-a de molho em água sanitária (que é uma solução de cloro) por algumas horas. Depois enxágue muto bem a betteira (aquário) e deixe-a ao sol por várias horas. Desta forma qualquer quantidade remanesce de cloro vai evaporar e os raios UV (Ultra Violeta), farão a limpeza final neste aquário.

É verdade que eu preciso ter um puçá (redinha), para cada betteira (aquário)?

Se fosse factível, isto seria fantástico. Mas dependendo do número de betteiras (aquários) que você mantém, estes equipamentos podem acabar lhe saindo muito caros e de difícil administração. No mínimo precisaria identificar cada betteira (aquário) e puçá (redinha) com o mesmo código de identificação e tomar muito cuidado para não misturá-los jamais.

Sugiro que você compre alguns puçás (redinhas) e procure mantê-los mergulhados em solução de água sanitária e/ou grande concentração de sal, para mantê-los sempres desinfetados e prontos para uso. É evidente que antes de serem colocados na água, em contato direto com os peixes, precisariam ser lavados em água corrente.

Estes puçás (redinhas) vão ter vida útil pequena. Rapidamente a trama do tecido vai apodrecer em função da constante exposição com os produtos químicos desinfetantes, mas este investimento em constantes reposições de puçás (redinhas), rapidamente será revertido em saúde dentro do seu plantel.

Ao adquirir novo exemplar de Betta, preciso tomar algum cuidado sanitário especial?

Sim. Este animal deverá ficar isolado numa betteira (aquário), sob observação, por 40 (quarenta) dias. Mesmo se tradando de um exemplar fêmea, que poderia ficar num aquário coletivo (junto com outras fêmeas da espécie).

Você pode até improvisar uma betteira (aquário), usando um pet de refrigerante vazio e cortado (eliminar funil próximo do gargalo da garrafa).

O processo de captura, embalagem, transporte, mudança de ambiente (movimentação no local onde o peixe será acomodado na chegada, intensidade de luz, barulhos, etc) e talvez até de parâmetros básicos da água (pH, temperatura, condutividade elétrica), estressam o animal demais, baixando sua imunidade, portanto deixando-o susceptível à ataques de doenças oportunas.

Muito cuidado para não misturar apetrechos de manejo, contaminando de forma cruzada seus peixes mais antigos ou os recém chegados.

Preciso oferecer alimentos vivos para meus Bettas?

É recomendável para peixes adultos e senescentes e imprescindível para larvas, jovens (em fase de crescimento) e peixes que estão em processo de reprodução.

Na natureza, Betta splendens se alimentam basicamente de micro-organismos, vermes e larvas. Faz parte da sua natureza, do seu instinto, caçar o que come. Seu trato digestivo/intestinal está preparado para este tipo de alimento.

Em cativeiro, a ração industrializada oferecida ao animal, é formulada para suprir suas necessidades básicas e oferecer conforto ao criador. Ela não é capaz de atender ao quesito de instinto de caça do Betta. Então, na medida do possível, procure atender esta necessidade do animal.

Existem várias opções de micro-organismos que podem ser cultivados no ambiente doméstico de forma simples, segura e com pouco trabalho. Aliás, você logo perceberá que esta cultura também pode se transformar numa fonte de prazer e diversão.

Como devo alimentar meu mascote?

Preferencialmente com ração granulada. Escolha a ração com a melhor formulação que seu dinheiro puder pagar (consulte o lojista de sua confiança para ajudá-lo neste processo de escolha), para garantir saúde e beleza ao seu mascote. Alimente-o 1 (uma) vez ao dia, em pequena quantidade, para que não haja sobras, e se houver, remova-as com a ajuda de uma pipeta, conta-gotas ou sifão.

Para você ter uma ideia de quantidade, saiba que o tamanho do estômago de um Betta splendens é aproximadamente do tamanho do aro do seu olho. A quantidade a ser oferecida, deve caber dentro deste círculo.

Bettas em processo reprodutivo, precisam de alimentação especial?

Sim. Tenha em mente que a reprodução de Betta splendens (e outras espécies) só acontece se algumas condições básicas forem atendidas e entre elas está a fartura de alimentos. Peixes tendem a não reproduzir em períodos de escassez, para não ter que dividir o pouco alimento existente no ambiente, com mais bocas.

Por outro lado, o processo reprodutivo consome muita energia dos animais, na produção de ovos, construção de ninho, cuidados parenterais, defesa de território. Portanto, peixes que vão ser colocados para reproduzir, devem receber tratamento especial, comida em fartura (sem exageros, por favor), várias vezes ao dia. Ofereça dieta variada (ração industrializada, alimentos processados e organismos vivos).