Manejo sanitário de peixes ornamentais

Provavelmente provocarei alguma polêmica ao afirmar que o método até hoje utilizado pela grande maioria dos aquaristas/criadores brasileiros, ou seja, a de adaptar o peixe para a água do aquário, não é um método correto. Talvez você esteja no grupo que faça desta forma, no meu entender errada. Vou tentar abaixo provar isso para você. Se escrevi alguma besteira, por favor me corrija.

O saco onde o peixe foi transportado pode ser considerado um ambiente quase que fechado. Mesmo se o peixe não foi alimentado um dia antes do embarque, o processo metabólico do peixe produz amônia como um subproduto, secretado através das guelras e da urina.

Na prática, se nós medirmos o pH da água do saco onde os peixes foram transportados não funciona bem porque os ácidos secretados pelo peixe vão causar a diminuição do pH, e a amônia é menos tóxica com pH menor. Como o peixe respira no saco, o dióxido de carbono é liberado na água e um pouco dele é difundido no ar preso na parte superior do saco.

O dióxido de carbono na água ajuda a formar ácido carbônico. Quanto mais tempo o peixe ficar no saco, mais dióxido de carbono é produzido, deslocando o oxigênio e causando um leve esvaziamento do saco. O peixe então se torna levemente asfixiado.

O peixe se torna sonolento, diminuindo sua consciência. O peixe fica sob estresse e o seu manuseio o debilita causando danos ao seu muco. Qualquer agente patogênico que estivesse presente no aquário original teria facilidade em infectar o peixe, pois o seu sistema imunológico estaria nesse momento comprometido. Também a quantidade de matéria orgânica presente no saco seria propicia ao crescimento de bactérias e parasitas.

Nesse ponto em que o peixe chega na sua casa ele está muito vulnerável à doenças. A água do saco é uma água doente, tóxica.

A doença está na água, nos lados do saco, e na superfície externa do saco também. Se você colocar para flutuar o saco no seu aquário, alguns dos agentes patogênicos que existissem no aquário original poderiam estar sendo introduzidos no seu novo aquário. Agora você abre o saco e deixa ele flutuar. Realmente uma má ideia, pois logo que você abre o saco o dióxido de carbono escapa, e um ar relativamente rico em oxigênio logo entra. O dióxido de carbono rapidamente evapora da água. O pH sobe. A amônia no saco repentinamente se torna altamente tóxica com o nível alto de pH. O peixe fica estressado e o seu sistema imunológico declina. Você então começa a adicionar a água do seu aquário para o saco. Agora você faz com que os níveis de pH e dureza da água do saco comecem a oscilar. Isso causa mais estresse para o peixe. Com isso você força o peixe por uma ou mais horas a ir se adaptando aos parâmetros da água do seu aquário, causando mais estresse ao peixe.

Normalmente leva semanas para um peixe se ajustar aos novos parâmetros de uma água nova, e você o força para que isso ocorra em 1 ou 2 horas e isso não é bom no estado de fraqueza atual do peixe.

Ajustar um peixe para um pH mais alto, maior dureza da água (GH) ou maior valor de temperatura é melhor do que para valores mais baixos. Entretanto como o pH é uma escala logarítmica, um grau de diferença é dez vezes maior. O limite para mudanças de pH é de um grau, mudanças de temperatura é de 1 grau Celsius. Dureza é um pouco mais flexível para mudanças, mas você deve chegar o mais próximo possível. Se a variação da troca for muito grande você corre o risco de colocar o peixe em choque. O parâmetro mais importante a se conseguir é o pH correto.

Por isso é importante saber (perguntar ao vendedor) em que água seu peixe foi criado, se o seu criador utilizava sal nos seus aquários, quais os valores de pH e GH. É importante retornar o peixe a esses valores o mais rápido possível.

Essa teoria acima foi-me passada por um criador alemão que foi meu sócio numa criação de guppies nos anos 70, que dificilmente perdia peixes por manuseio errado. Se eu contasse todas suas técnicas muitos ririam, como, por exemplo, jogar água fervendo num aquário com peixes em choque e imediatamente tirá-los daquela situação, voltando os peixes a nadarem normalmente. Eu presenciei tudo isso, e diversas das técnicas eu posteriormente repeti sozinho com sucesso.

Sei que é difícil pessoas que fazem determinados procedimentos há vários anos aceitarem um novo manejo, por isso falei em criar polêmica, opiniões contraditórias. Do modo como a maioria das pessoas fazem também dá certo, mas os peixes com certeza sofrem mais para se adaptar. O método que eu acho mais correto é: Pedir informações ao fornecedor do peixe sobre os parâmetros da água em que os peixes foram criados/enviados, tais como pH, temperatura, GH (dureza) e salinidade.

Preparar um aquário uma semana antes da chegada do peixe e preparar a água nos mesmos parâmetros das informações que você recebeu do fornecedor dos peixes.

Após a chegada dos peixes, deixe o saco no mesmo ambiente do aquário até a estabilização da temperatura (saco fora do aquário), e não coloque o saco em contato com a água do seu aquário pois o saco pode estar transportando agentes patogênicos.

Adicione um condicionador à água do aquário que proteja o muco do peixe. Isso vai ajudar a defesa contra possíveis doenças.

Coloque formalina, ou outro produto com a mesma função, no seu aquário. A formalina vai evaporar e causar ínfimo dano ao ciclo do nitrogênio do seu aquário.

Nunca coloque peixe novo misturado com seus antigos peixes, pois eles podem passar doenças uns para os outros.

Não coloque água do seu aquário dentro do saco. Assim que o saco é aberto o dióxido de carbono vai escapar, o pH vai subir, e os seus peixes entrarão em choque. Imediatamente após abrir o saco coloque um pouco de neutralizador de amônia no saco e meça os parâmetros da água do saco.

Verifique os parâmetros da água que veio junto com o peixe e compare com os valores informados pelo fornecedor. É esperado que o valor de pH tenha diminuído. Se tiver qualquer dúvida, como por exemplo, se passaram informações incorretas para você quanto a água original dos peixes, ajuste o aquário para os parâmetros da água do saco. Se os parâmetros estão realmente baixos, como pH abaixo de 7, coloque os parâmetros do seu aquário ligeiramente acima.

Se o aquário tem os mesmos parâmetros, jogue fora a água do saco e colocando o peixe numa rede e imediatamente o coloque no aquário. Não contamine a água do seu aquário com a água que veio dentro do saco.

Não alimente o peixe no primeiro dia, e dê pouca comida para ele na primeira semana.

Troque por dia 10% da água do aquário até que o ciclo de nitrogênio seja estabelecido e continue esse procedimento até que a água atinja os mesmos parâmetros dos seus outros aquários.

Procedendo dessa maneira as chances de nada de desagradável acontecer com seu novo peixe estarão aumentadas.

Carlos Beserra (in memoriam)

Como comprar Betta splendens

Existem alguns procedimentos básicos e importantíssimos para efetuar compras de Betta splendens. Seja em estabelecimentos comerciais, ou diretamente com criadores que desenvolvam linhagens especiais.

Betta splendens Yellow ST|LT|HM|Male
Betta splendens Yellow ST|LT|HM|Male

Comprando numa loja física/virtual:

Para compra presenciais (loja física):

  1. Observe a higiene e limpeza do estabelecimento comercial. Observe o cuidado com que tratam os animais;
  2. Selecione o peixe que se movimenta bastante na betteira (no aquário) e que, de preferência, já esteja nidificando (construindo ninho-bolha), se for exemplar macho. O peixe deve ter aparência saudável. Evite comprar peixe apático, pois pode estar doente;
  3. Peça ao atendente que alimente o peixe. Observe que alimento é oferecido, repare como o peixe reage à oferta de alimento. O peixe deve avançar em direção da comida, com vontade. Se o comportamento for de indiferença, aborte a compra deste exemplar;
  4. Se for exemplar macho, peça ao atendente que aproxime a betteira (o aquário) do peixe escolhido à outra betteira (aquário) contendo outro exemplar da espécie, de preferência outro macho. Observe a reação do peixe. Ele deverá se armar todo (fazer display), para combater o oponente que se aproxima de seu território, exibindo todo o esplendor de suas cores, nadadeiras e opérculo abertos. Se o comportamento for de apatia, aborte a compra deste exemplar;
  5. Acompanhe a embalagem do peixe. Cuide para que ele seja embalado para transporte, na mesma água onde estava exposto. Na embalagem observe se existe água suficiente para cobrir duas vezes o corpo do peixe, no mínimo, e ar suficiente para o peixe respirar – Betta splendens saudável e bem embalado, aguenta mais de 10 (dez) dias nesta condição, se for extremamente necessário. O saco plástico usado para transporte deve ter as suas pontas presas com fita adesiva, dando-lhe um formato arredondado, para impedir que o peixe fique preso na embalagem e acabe morrendo no transporte.

Para compras virtuais:

  1. Apresente ao lojista todas as perguntas necessárias para lhe ajudar no processo de compra. Exija fotos de boa qualidade, mostrando o peixe comparado à uma escala métrica, se possível, exija vídeo onde seja possível avaliar o comportamento ativo do animal, espírito territorial, apetite, etc;
  2. Exija do lojista que explicite sua política de reposição de peixe que eventualmente não esteja de acordo com o que foi comprado ou que não chegou vivo no destino e quem vai assumir os custos de transporte, laudo veterinário e pagamento de guias envolvidas nestes casos;
  3. Exija que o lojista especifique a forma de remessa e em hipótese alguma aceite receber sua encomenda pelos Correios, é proibido o transporte de animais vivos por este meio, evitando processos administrativos/judiciais e pesadas multas.
  4. Por consequência, o(s) animal(ais) adquiridos serão enviados por transporte rodoviário e/ou aéreo e os animais precisam estar acompanhados de laudo veterinário de sanidade e guia de transporte animal, então questione o lojista quanto aos custos extras envolvidos e à quem caberá pagá-los. E no recebimento da encomenda, exija tais documentos pagos por você, direta ou indiretamente. Atenção!: Estas exigências estão sujeitas à mudanças, novas portarias governamentais podem mudar tais procedimentos, sem prévio aviso.

Dicas Úreis:

  • Saiba que este processo de embalagem, transporte, chegada num novo ambiente, adaptação ao novo manejo, estressa demais o peixe e este é o caminho para que doenças se manifestem. Procure minimizar o estresse do peixe;
  • Não se iluda com o tamanho do peixe. Geralmente Betta splendens enormes, expostos em lojas, já são exemplares em fim de carreira, descarte de criatórios. Se você pretende acasalar o peixe, pior ainda, pois sua nadadeira caudal enorme e pesada dificulta os seus movimentos e o acasalamento, cansa o peixe. Escolha peixes jovens, possivelmente menores;
  • Se o estabelecimento comercial oferece aos peixes que estão em exposição para venda, um alimento diferente daquele que você costuma oferecer aos seus peixes, no seu manejo habitual,  compre um pouco do alimento usado pela loja, para ajudar o peixe em sua adaptação ao novo alimento que você costuma usar.

Comprando de um criador que desenvolve linhagens especiais:

  1. Procure previamente referências sobre o criador. Procure saber se ele é idôneo e ético. Se cria peixes com boa genética. Se costuma entregar exatamente o que oferece para compra;
  2. Exija do criador a especificação da linhagem do peixe escolhido. Se possível, que forneça informações sobre os ascendentes do peixe. Só assim você evitará grandes surpresas nascidas nas ninhadas;
  3. Exija do criador o envio prévio de foto do peixe escolhido, de boa qualidade, onde apareça uma escala métrica para que você possa ter uma idéia clara do tamanho do peixe. Foto que lhe permita confirmar, no recebimento, se de fato recebeu o que negociou com o criador/vendedor;
  4. Negocie antes do despacho da encomenda, a reposição de peixe que não esteja de acordo com o que foi comprado ou que não chegou vivo no destino e quem vai assumir os custos de transporte, nestes casos. Sabendo que obviamente estas exigências irão impactar no preço final do peixe e nem poderia ser diferente.

Dicas Úteis:

  • Tenha em mente que algumas linhagens são decorrentes de anos de trabalho genético e pesquisa, e que você estará pegando um “peixe pronto”, como se costuma dizer no jargão de criadores. Então é óbvio que o preço do peixe não pode ser comparado ao preço de um peixe Cauda de Véu (Veil Tail),  costumeiramente encontrados para venda, em lojas de aquários e pet shops. Então, não cometa a deselegância de fazer este tipo de comparação com o vendedor, nem dizer que o peixe dele é caro. Simplesmente agradeça a atenção e procure outro criador/vendedor para comprar a linhagem que você procura, que tenha qualidade de peixes comparáveis ao criador/vendedor anterior e preços que se encaixam no seu orçamento. Deixe que a lei de oferta e procura cuide da política de preços do criador/vendedor anterior; 
  • Não aceite que seu peixe seja enviado pelos Correios (serviço expresso de postagem de encomendas), pois é proibido transportar animais vivos por este meio. Evite processos administrativos/judiciais. (Meios alternativos: aéreo, rodoviário – se o prazo de entrega da transportadora escolhida for pequeno);
Recebimento de sua encomenda (Imagem meramente ilustrativa - Foto: Unknown).
Recebimento de sua encomenda (Imagem meramente ilustrativa – Foto: Unknown).
  • Exija que os peixes sejam enviados, acompanhados de nota fiscal, laudo de sanidade animal – emitido por veterinário e guia de transporte animal (GTA). Esta é uma exigência legal para transporte de animais vivos. É evidente que este laudo e esta guia de transporte vão lhe custar alguma coisa (valores variam de vendedor para vendedor – procure a opção que melhor lhe convier), mas saiba que o custo é fixo por emissão, não importando se você vai transportar apenas um peixe, ou algumas centenas deles). Atenção!: Estas exigências estão sujeitas à mudanças, novas portarias governamentais podem mudar tais procedimentos, sem prévio aviso;
  • Quando o peixe encomendado chegar ao destino, antes de abrir a caixa, providencie uma fotografia da mesma, exibindo o estado em que chegou a embalagem. Tomando o cuidado de deixar visível e legível o endereçamento impresso na caixa;
  • Ao abrir a caixa, se você se deparar com peixe morto), não viole o saquinho plástico de transporte. Fotografe o peixe, dentro do saquinho e entre em contato imediatamente com o criador/vendedor, para fazer valer o que foi combinado no momento da compra;
  • Não faça economia porca com o transporte. Escolha meio de transporte rápido, afinal quanto antes sua encomenda chegar, menos estressado ficará o peixe;
  • Peça para o criador/vendedor despachar a encomenda, preferencialmente numa segunda ou terça-feira, no máximo. Isto para não correr o risco da encomenda ficar retida num depósito de transportadora num final de semana inteiro;
  • É boa prática, por parte do criador/vendedor, dar uma reforçada na alimentação do peixe, antes de despachá-lo e 3 (três) dias antes do despacho, deixar de alimentá-lo, para diminuir o volume de excretas na água, no período de transporte. Isto permitirá que a água se mantenha limpa e mais saudável, por mais tempo. Exija que ele proceda com estes cuidados;
  • Peça para o vendedor/criador lhe vender um pouco da ração que ele costuma oferecer ao peixe, se não é a mesma que você costuma oferecer aos seus peixes. Isto para ajudar o peixe a se adaptar ao novo alimento usado habitualmente em seu manejo.